O filme “Raízes angolanas da capoeira” documenta a busca das origens da capoeira em Angola por um mestre de capoeira...

[youtube id=”Fwqw_SDiN3U” width=”620″ height=”360″]

O filme “Raízes angolanas da capoeira” documenta a busca das origens da capoeira em Angola por um mestre de capoeira e seus amigos. Está em fase de pós-produção e estamos arrecadando fundos para a sua finalização.

Apelo para financiamento coletivo (Crowd Funding)

Olá, eu sou Cobra Mansa, mestre de capoeira. Em parceria com meu amigo Matthias Assunção, historiador da Universidade de Essex, na Inglaterra, estamos trabalhando para realizar o nosso sonho comum de saber mais sobre as raízes africanas da capoeira.Depois de uma viagem de pesquisa inicial conseguimos financiamento e voltamos para fazer um filme documentário sobre a nossa busca em Angola. Filmamos jogos de combates e danças fascinantes e o seu encontro com a capoeira.Velhos jogadores de engolo compartilharam com a gente essa dança legendária da zebra, que muitos capoeiristas consideram ser o ancestral da capoeira.Para nós é uma grande alegria e um privilégio de poder fazer esse filme com esses encontros tão ricos sobre a capoeira, Angola e um legado cultural do tempo da escravidão.Agora precisamos de US $ 32.000 para terminar o filme.
Estamos pedindo a todos os capoeiristas, e demais pessoas interessadas na herança compartilhada entre a África e as Américas, de participar do nosso projeto e de contribuir para ajudar a terminar o filme.Isso nós permitirá de compartilhar com você e um público mais amplo nossos encontros com os engolistas incríveis, mestres de capoeira e outros personagens maravilhosos que enriquecem o nosso filme.
Ajuda com o que você pode. Mesmo uma pequena contribuição ajuda. Você também pode ajudar divulgando o projeto.
Obrigado! Axé!

Antecedentes

Como capoeirista sempre ouvi dos mestres que os ancestrais da capoeira eram angolanos. Indo para Angola eu não somente segui os movimentos e instrumentos musicais que me pareciam estar relacionadas com a capoeira mas também me confrontei com a minha própria ancestralidade. Teve momentos em que senti que estava seguindo os passos dos nossos ancestrais angolanos que foram levados para o Brasil como escravos.Esse filme é o resultado de um projeto de pesquisa mais amplo, “As Raízes Angolanas da Capoeira”. Baseado no Departamento de História da Universidade de Essex, na Inglaterra, esse projeto está construindo um acervo e preparando publicações acadêmicas e de ampla divulgação. Nosso filme é um diálogo entre tradições que não tem estado em contato por mais de um século. Esse intercâmbio está gerando novos conhecimentos a respeito de práticas angolanas e afro-brasileiras e está escrevendo um novo capítulo nas relações entre os jogos de combate da diáspora africana.O que fizemos até agoraNosso projeto foi financiado inicialmente por nós mesmos e pela Universidade de Essex. Conseguimos um patrocínio importante do British Arts and Humanities Research Council (AHRC), o que nos permitiu realizar duas viagens de pesquisa e filmagem para Angola (2010, 2011) e uma para o Brasil (2010) e de iniciar a pós-produção do filme (2012).·       Em Angola filmamos nossos encontros e intercâmbios com praticantes de várias lutas e danças. Também filmamos tocadores de arcos musicais parecidos com o berimbau usado nas rodas de capoeira no Brasil. Registramos a vida quotidiana e os rituais da família que nos apresentou aos jogadores de engolo. Através deles os contextos sociais dos jogos de combates, a música, as letras e as danças tornam-se vivos. Um dos rituais filmados é a iniciação feminina chamada efiko, que historicamente providenciava uma das ocasiões para os jogos de combate em Angola.
No Brasil filmamos com mestres de capoeira que compartilham com a gente os fundamentos e as tradições de sua arte.
Arquivamos, transcrevemos, traduzimos e editamos mais de 140 horas de filmagem e gravações em audio.
Agora temos um primeiro corte que necessita mais edição.

Para que precisamos o dinheiro

O dinheiro que arrecadamos vai ser usado para pagar os nossos editores, que vão produzir a versão final do filme, para pagar a mixagem de som, a edição on-line, um artista gráfico e os direitos autorais sobre material que queremos usar.  Para compartilhar os nossos achados e encontros com um público amplo, precisamos legendar muito cuidadosamente o filme, respeitando a riqueza de expressão das línguas angolanas e do português. Finalmente precisamos pagar a reprodução, embalagem e postagem do DVD para vocês, nossos apoiadores. Qualquer soma de dinheiro adicional será usada para levar o filme de volta para exibições nas comunidades angolanas e brasileiras cujas energias fizeram esse belo projeto acontecer.Para completar o trabalho de edição e de pós-produção necessitamos quatro meses, a contar da data de encerramento da campanha de arrecadação de fundos.A previsão é de completar o filme e lançá-lo em julho de 2013.

As doações podem ser feitas no site : http://www.indiegogo.com/angolanroots

Ricardo Nascimento

No comments so far.

Be first to leave comment below.

Your email address will not be published. Required fields are marked *